Bruno Linhares

Um blog sobre Comunicação, Marketing, Filosofia e Cultura

Archive for the ‘Comunicação e Busca’ Category

Critérios Sociais para a Relevância

leave a comment »

relevancia.jpg O oráculo contemporâneo tem, de forma análoga ao seu antecessor mitológico, obscuros critérios para a escolha de suas respostas. Aos que buscam informações no Google ou no Yahoo, milhares de possibilidades de retorno são oferecidas.  

Mas sabe-se que os internautas chegam, no máximo, à terceira página de navegação. Então ficar na primeira página é essencial aos que buscam relevância na rede. Como e porque são escolhidos os felizardos é considerada hoje como uma questão interna da empresa que fornece o mecanismo da busca. Que também comercializa, através dos links patrocinados, um atalho. Por certo, pode-se pagar pela relevância. 

Interessa ao conjunto da sociedade o critério “natural” da ordenação relevante – o oligopólio atual transfere para poucos um poder extraordinário. As possibilidades de manipulação em larga escala, a censura sistemática e a construção de uma unificação inédita do discurso podem hoje parecer fantasiosas, mas a experiência histórica acumulada demonstra aonde pode-se chegar na tentativa de influenciar corações e mentes. 

A questão colocada é como a sociedade pode influenciar, auditar, normatizar e até mesmo gerir os critérios de relevância. A “wiki” esfera tem apresentado algumas propostas, de forma vaga : caberia aos usuários da rede a definição da relevância, com mecanismos geridos, é claro, por eles próprios, em seu próprio mecanismo de busca. Mas essa forma “censionária”, também objeto de manipulação e dificilmente auditada em minha opinião não responde a essa difícil questão. 

Além da complexidade técnica, há desafios políticos e institucionais – a saída deve ser global, envolvendo órgãos governamentais representativos e instituições da sociedade civil. Como as soluções de busca são “produtos”, originados nas condições de mercado através de empresas privadas com atuação global, não vejo outra possibilidade que não  a alternativa da certificação.  Ou seja,que órgão regulador, com abrangência e representatividade internacional, com composição ampla e plural, possa através da avaliação e certificação dos processos de busca, tranqüilizar e tornar claro aos consumidores de que critérios objetivos e imparciais são os considerados na definição das respostas às suas perguntas. 

É importante que essa discussão avance. Já passamos de 1984 há muitos anos, mas o “Big Brother” ainda pode estar na casca do ovo de alguma serpente virtual.

Written by brunolinhares

Março 15, 2008 at 10:06 pm

Publicado em Comunicação e Busca

A Comunicação e a Ditadura da Busca

leave a comment »

ditadura_implicita.jpg

O espetáculo precisa continuar. E desde sempre neste mundo, a inocência não freqüenta o palco. Na era da comunicação, tudo se transforma rapidamente e a metamorfose ocorre diante dos olhos dos espectadores. 

Assim, a arena das mais radicais mutações nas últimas décadas esteve localizada nos meios de comunicação e, não à toa, tudo o que acontece nesse terreno têm resultado direto na economia de mercado. A mídia enquanto indutora e construtora de novos modelos de comportamento e de consumo tem sido o eixo central do salto qualitativo para que tenha sido alcançado o “estágio pós industrial” da economia. Uma ligação estrutural, porquanto a sociedade de consumo depende do fluxo de necessidades e do despertar contínuo dos desejos para que se mantenha o equilíbrio entre a procura e as necessidades próprias da produção.  

O modelo dominante é unidirecional – a mensagem, gerada em alguns poucos centros produtores, é difundida para milhões (ou bilhões) de pessoas através de avançada tecnologia de comunicação que transformou o planeta na “aldeia global”. Através dessas mensagens, com potência e influência inéditas na história da Humanidade, trafegam conceitos, idéias, propostas que ao atingir a ampla parcela de homens e mulheres dos mais diferentes segmentos, tem como conseqüência não só uma padronização e uniformização do comportamento e dos anseios como também uma transformação profunda da influência dos detentores das marcas ou signos que as expressam. 

A história da comunicação humana, desde os tempos dos copistas dos conventos medievais de antes da invenção da imprensa, é marcada pela concentração do poder na atividade de veiculação. De forma que o crescimento do valor agregado na engrenagem da produção de mensagens também iria naturalmente aumentar o nível de concentração da propriedade nos meios de difusão. A hiper concentração da propriedade e dos grupos empresariais, tendência retomada com punjança desde a década de 90 do século passado, também teve profundos efeitos nos meios de comunicação, com intensidade variável conforme da legislação de cada país.  

Este sistema teve, no entanto e como sempre, um fenômeno que lhe balançou as bases, uma das mais instigante revoluções nos meios de comunicação – o advento da internet. A web, nascida nos meios acadêmicos e utilizada inicialmente para divulgação de informações entre pesquisadores, tem seus traços essenciais definidos na origem : multidirecional, “livre” de interferência e censura, aberta a todos (desde que com acesso ao computador e à uma linha de comunicação), sem fronteiras, em escala planetária. 

Como nunca e a custos nunca antes experimentados, multiplicam-se centros geradores de mensagens e informação. E como o jogo é interativo, envolve intensa troca de mensagens em texto, sons e imagens. Vários ramos de negócio sentem logo o seu efeito, particularmente a indústria cultural e o turismo, confirmando a tese inicial deste artigo – a profunda dependência estrutural para com os meios de comunicação, muito além do que se reconhece nos manuais de marketing. 

Como habitualmente nas revoluções tecnológicas, sua emergência  trouxe uma fase inicial de indefinições, na qual ainda não despontavam os líderes e os padrões que o mercado posteriormente iria consagrar. Vivemos, no período da bolha, as apostas e os “leilões” do futuro, para regozijo de alguns e decepção de muitos. No entanto, com esses anos já transcorridos, agora é possível descortinar um pouco melhor se não o futuro mas pelo menos quais são os focos de disputas e os movimentos estruturais.  

O caráter inicialmente mais “democrático” da internet, quanto à possibilidade material de multiplicação da geração e veiculação de mensagens e do conteúdo pela redução radical de seus custos, deslocou o eixo do processo de comunicação. Com bilhões de páginas e mensagens já disponíveis na rede, a questão essencial passa pela obtenção da visibilidade através da conquista do tráfego e da relevância. 

Cabe então também notar que o caráter interativo evidencia outra característica do novo paradigma da comunicação : a possibilidade de declarar e procurar na rede o conteúdo de interesse e não receber passivamente as mensagens escolhidas, por exemplo, pela programação da mídia convencional. Neste mecanismo, “a Busca”, se encontra hoje o elemento estruturante, o terreno de embate e a nova concentração de poder no processo de comunicação contemporâneo. 

Através da busca, a relevância é “revelada”, o tráfego é obtido, a liderança e a primazia da mensagem são alcançadas. Pois desloca-se os custos e o poder – antes concentrados na produção e na veiculação, hoje na obtenção da “relevância”. Claro está que os critérios de relevância são o  coração e o mais bem guardado segredo das empresas que constituem-se no oligopólio mundial da busca, Google e Yahoo. E não por acaso assistimos uma feroz concorrência com grandes marcas como Microsoft e a própria Google buscando obter o monopólio em soluções de busca. 

Hoje entre as principais marcas do mundo, essas duas gigantes aparentemente darão a tônica do novo paradigma da comunicação – o critério de relevância e a obtenção da visibilidade no meio de comunicação que em breve será o dominante. A discussão a ser feita agora na sociedade é de quais são os critérios para a definição da relevância e qual será a participação da opinião pública neste “rankeamento”. A tarefa de estabelecer e implementar políticas, regras e práticas de relevância são importantes demais para ser executada pela direção de uma só empresa. Mas isto é o tema do próximo artigo.

Written by brunolinhares

Março 2, 2008 at 10:25 pm

Publicado em Comunicação e Busca